23 de abr de 2010

swallow

E então eu dizia: saudade.
Com toda a minha força peito adentro
Garganta afora, conduzo a flora.

Indizível, sensível, cheia de dores de sabores passados
E delírios visíveis.

Enchia muitos corpos de beijos e suspiros repletos de meias-verdades na luas que nunca se aqueciam.

Saudade das páginas cinzas, dos cinzeiros sempre limpos, dos sorrisos.

Meu bem, volte. A rua incedeia lá fora, você nem imagina.
Não, graça, a gente incedeia é por dentro. Pelas ruas nós flutuamos.

Mas volte, diga que me ama baixinho.
Não amo.

Repare então a sua volta, você consegue sentir?
Só o som das minha própria respiração paralisada. E todo esse processo garganta-adentro-garganta-afora do peito de engolir o impulso irrefreável de ser o que é mais conveniente.

Precisão.